fbpx

O dinheiro não é o seu mestre | Materialismo

Mensagens
Tags:

O reino de Cristo

Cada um dos homens que Salomão executou queriam uma coisa que ele se recusou a desistir pelo reino de Deus. Adonias queria ter Abisague. Joabe queria sua vingança. Simei não deixaria seus servos.

Todos nós enfrentamos tentações semelhantes. Alguns de nós são como o Simei: nossa tentação é o que o dinheiro pode comprar. Portanto, não estamos dispostos a abandonar um negócio lucrativo que não seja inteiramente honesto. Ou construímos nossas carreiras à custa de nossas famílias. Ou nós enganamos a Deus, reduzindo nossos dízimos e ofertas. Outras pessoas são como Adonias: colocamos gratificação sexual antes do nosso compromisso com o Reino. Ou, como Joabe, somos culpados de violência raivosa.

A questão para cada um de nós é: qual é a única coisa que me impede de dar tudo ao reino de Deus? É tudo ou nada com Deus, como é para todo rei que se preza. É da própria natureza de um rei exigir total lealdade. Se apenas seguirmos a Deus quando ele nos der o que queremos, então não o trataremos como rei, mas apenas como servo. Para que Deus venha em primeiro lugar para nós, ele tem que vir em primeiro lugar em tudo, incluindo a única coisa que realmente não queremos desistir de seu reino, qualquer que seja essa coisa. Jesus disse: “Buscai primeiro o reino de Deus e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mateus 6:33).

O que você quer?

O problema é que, é claro, muitas vezes colocamos o que queremos diante do que Deus quer. Construímos nossos próprios reinos em vez de buscar primeiro o reino de Deus. Isso é evidente toda vez que nos entregamos a um prazer pecaminoso, ou falamos uma palavra raivosa, ou fazemos uma compra egoísta. E é por isso que precisamos da misericórdia e do perdão que Deus nos oferece em Jesus, o rei que estabeleceu o reino eterno de Deus sangrando na cruz e depois ressurgindo da sepultura. Como Salomão, Jesus estabeleceu seu trono eliminando todos os seus inimigos, só que o seu inimigo eram os mais fortes de todos: o pecado, a morte e o diabo. Jesus derrotou esses inimigos sofrendo o castigo mortal que nós merecemos pelos nossos pecados (a mesma punição, de fato, que os inimigos de Salomão mereciam), de modo que nós não morreríamos, mas viveríamos.

Exemplo de Jesus de boa servidão

Para realizar essa obra salvadora, Jesus teve que colocar o reino em primeiro lugar, e assim ele fez. Ele não veio para fazer sua própria vontade, ele disse, mas a vontade de seu Pai no céu (João 6:38). Isso incluía renunciar a todas as tentações do dinheiro, sexo e violência. Jesus poderia ter reivindicado a riqueza das nações, mas preferiu viver na pobreza, provando que o dinheiro não era seu mestre. Nem Jesus cedeu à tentação sexual, pecaminando gratificantemente seu desejo sexual, mas viveu com perfeita pureza e castidade. Ele não procurou poder através da violência injusta, mas pacientemente sofreu o abuso de homens pecadores, até o ponto da morte. Jesus colocou o reino em primeiro lugar, recusando-se a permitir que uma única coisa atrapalhasse a vida para a nossa salvação e a obra do reino de Deus.

Agora Jesus nos chama para unir-se a ele e colocar o reino em primeiro lugar – primeiro em nossas mentes e corações, primeiro em nossos corpos e primeiro que nossas contas bancárias. É somente quando compartilhamos nossa riqueza para o trabalho no reino, protegemos a pureza de nossa sexualidade, e desistimos de qualquer pretensão de governar nosso destino que somos capazes de parar de usar dinheiro, sexo e poder para nós mesmos e usá-los para a glória. de Deus e do reino de Jesus Cristo.


Originalmente publicado em inglês como “Money is not your master” por Philip Graham Ryken © Desiring God Foundation. Source: desiringGod.org
Traduzido por: Igor José Santos Ribeiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esboços Relacionados